A copa do mundo está cada vez mais próxima, e com ela se iniciam as discussões do que influencia o desempenho dos jogadores, o que justifica os comportamentos dos torcedores e o que é necessário para garantir o tão sonhado título. Neste contexto, a psicologia é convidada a todo momento a discursar sobre esses fenômenos, o que nos abre portas para discutir a aplicação da psicologia na área dos esportes.

A psicologia do esporte analisa as bases e efeitos psíquicos associados às ações esportivas, considerando os processos psicológicos básicos, o efeito emocional sobre o desempenho esportivo, a execução de tarefas esportivas e aspectos de diagnóstico e intervenção nestes contextos (Samulski, 2002). Sendo assim, há um amplo espaço de aplicação para a psicologia do esporte. No Brasil, pelo fato de o futebol ser nosso esporte mais popular, o trabalho do psicólogo neste contexto é especialmente relevante. O psicólogo do esporte pode trabalhar em três grandes áreas: pesquisa, ensino e intervenção. Abordaremos neste texto o âmbito da intervenção, que é aquele aplicado aos esportes individuais e de grupo.

No âmbito da intervenção, o psicólogo do esporte pode desempenhar ao menos 5 funções: especialista em psicodiagnóstico, responsável por medir o potencial do atleta, através da utilização de instrumentos psicológicos; especialista em análise, o qual avalia as condições de treino e faz a intermediação entre o atleta e a comissão técnica; conselheiro, que trabalha com aconselhamento psicológico (counselling) e deve ajudar os deportistas e técnicos a resolver seus problemas psicológicos e solucionar os conflitos na equipe; otimizador, que deve organizar programas para aumentar o desempenho do atleta, a partir da análise do evento esportivo; consultor, que avalia as estratégias e os programas psicológicos estabelecidos; além de ser responsável pela saúde e bem-estar do atleta (Rubio, 1999; Samulski, 2009).

Ainda no âmbito da intervenção, são importantes o acompanhamento e o treinamento psicológicos. O acompanhamento psicológico (coaching) objetiva o desenvolvimento da autoconfiança, o aumento da motivação e a preparação psicológica do atleta e da equipe em função da competição. O mental coaching objetiva desenvolver a auto-regulação e a auto-administração de atletas e outros profissionais do esporte.

Além disso, Samulski (2009) define quatro áreas de aplicação da psicologia do esporte: esporte de rendimento, esporte escolar, esporte recreativo e prevenção, saúde e reabilitação. Aqui, abordaremos o esporte de rendimento, no qual se enquadram os esportes de eventos de ponta, como as Olimpíadas e a Copa do Mundo. No esporte de rendimento, o psicólogo deve analisar e modificar os fatores psíquicos que determinam o rendimento do atleta na competição, de forma a otimizar sua performance. O conhecimento psicológico aplicado ao esporte de rendimento pode auxiliar:

  • No conhecimento do perfil do atleta, de modo a se entender de que forma sua personalidade pode afetar seu desempenho em situações esportivas e quais habilidades devem ser treinadas e melhoradas para a competição;
  • Na identificação do tipo de conduta adequada para as competições e estudo de formas de treinamento de conduta;
  • No trabalho com os processos psicológicos básicos, de modo a ajudar na regulação e melhora de tais processos; e, consequentemente, na auto-regulação do atleta;
  • Também na interação harmoniosa e saudável dos atletas e da comissão técnica de uma equipe.

O psicólogo do esporte pode auxiliar as equipes de futebol tanto através de treinamentos de diferentes habilidades cognitivas dos jogadores, quanto ao ajudar a estruturar seu autogerenciamento e na condução de estratégias para melhorar as relações interpessoais de um time. Seu trabalho é essencial para o bom desempenho dos times, e certamente ouviremos falar disso durante os jogos da copa.

 

REFERÊNCIAS

Rubio, K. (1999). A psicologia do esporte: histórico e áreas de atuação e pesquisa. Psicologia: ciência e profissão, 19(3), 60-69.

Samulski, D. (2009). Psicologia do esporte: conceitos e novas perspectivas. Manole.

Samulski, D. (2002). Psicologia do esporte: um manual para a educação física, fisioterapia e psicologia.

Texto escrito por:

Isabela Sallum

Psicóloga e mestre em Medicina Molecular e Integrante do Instituto Lumina Neurociências Aplicadas à Saúde Mental