Motivação para aprender

A motivação para aprender se caracteriza pelo interesse do estudante nas atividades acadêmicas. Isso faz com que o aluno consiga se concentrar e dispensar a atenção de maneira eficiente para aquisição dos conteúdos ensinados. É possível observar, diante dos resultados de estudos, que a motivação está diretamente ligada ao desempenho acadêmicos dos estudantes, bem como está relacionada com outros aspectos que podem interferir nela, dentre eles, os aspectos emocionais, o relacionamento com o professor e com os colegas, a utilização de estratégias de aprendizagem e o ambiente de sala de aula.

Uma das Teorias que se propõe a explicar a motivação para aprender é a Teoria de Metas de Realização, cujo foco está na relação entre os objetivos e os comportamentos, dos estudantes em sala de aula, para realizá-los. Não há convergência para a quantidade de metas, mas há uma tendência por duas grandes metas, a saber, meta aprender e meta performance. Orientados à meta aprender estão os discentes que se envolvem, espontaneamente, nas atividades escolares por entenderem que o seu envolvimento nessas atividades pode provocar o desenvolvimento de suas habilidades pessoais (por exemplo, o aluno que quando vai mal em uma prova, estuda mais para a próxima). Esses alunos se orgulham dos resultados positivos atingidos e entendem o insucesso como desafio, procurando entender esse resultado negativo e melhorar as estratégias empregadas.

Para a meta performance, ela pode ser dividida em duas, são elas, a performance-aproximação e a performance-evitação. Quando se trata da meta performance-aproximação, os alunos estão dedicados a mostrar o que sabem, tanto aos seus professores quanto aos seus colegas de sala (por exemplo, o aluno que se sente bem-sucedido na aula quando sabe que o seu trabalho foi melhor que os dos colegas). Com isso, os estudantes se dedicam pelo fato de estarem mais interessados em demonstrar seus resultados positivos do que no aprendizado adquirido com o estudo realizado. Esses alunos são mais intolerantes ao fracasso, visto que este pode demonstrar sua incapacidade diante das atividades executadas. Com relação à meta performance-evitação, os alunos evitam se envolver, pois não desejam parecer incapazes diante dos demais (por exemplo, o aluno que não questiona o professor quando tem dúvidas na matéria, para não dar a impressão que é menos inteligente que seus colegas). Vale a pena informar que, embora as metas sejam diferentes, no que se trata da meta aprender e performance-aproximação, há alunos que se orientam de ambas e há estudos que apontam que as duas pode, em alguns momentos, se complementar.

Na literatura pode-se observar que alunos motivados são os que demonstram um melhor desempenho nas atividades escolares. Contudo, essa não é uma regra e, assim, não pode ser generalizada. Existem alunos que estão motivados, mas não conseguem resultados positivos nas atividades realizadas. Isso pode acontecer por diversos motivos, dentre eles, o uso inadequado de estratégias de aprendizagem, falta de disciplina de nos estudos ou mesmo carência de habilidades cognitivas específicas para determinadas atividades, como a falta de atenção, por exemplo.

Quando o professor está atento as dificuldades enfrentadas pelos alunos e percebem que elas estão relacionadas à motivação, podem ajudá-los para que obtenham um desempenho satisfatório. Uma das maneiras de motivar o aluno é explicar a ele qual é a função do está sendo ensinado. A utilização de atividades criativas também pode favorecer a motivação do aluno. O aluno, ao se perceber desmotivado pode buscar ajuda com seus pares ou mesmo com seu professor. Caso o estudante esteja motivado, mas não tem obtido resultados positivos, pode buscar as causas desse insucesso e, assim, modificar o que for necessário.

Quando o aluno está motivado ele se empenha de modo a investir seus recursos pessoais, para a aquisição de conhecimento e, assim, atingir o esperado sucesso acadêmico. Por isso, o desenvolvimento da motivação nos estudantes é importante, pois pode ajudá-los a garantir uma aprendizagem eficiente. Com isso, a realização de pesquisas a respeito do tema pode aprimorar as definições que explicam a motivação, assim como verificar quais possíveis variáveis estão ligadas a ela. Estudos com o objetivo de testar propostas de intervenção também podem favorecer o estudante de modo que o ajude a entender e aprimorar suas habilidades. Por fim, vale destacar que essas considerações estão presentes na vida da criança, que frequenta desde a educação infantil até o ensino fundamental I, do adolescente, que está no ensino fundamental II e no ensino médio e, do adulto, na universidade.

Para saber mais:

Santos, A. A. A., Moraes, M. S., & Lima, T. H. (2018). Compreensão de leitura e motivação para aprendizagem de alunos do ensino fundamental. Psicologia Escolar e Educacional, 22(1), 93-101.

Santos, A. A. A., Mognon, J. F., Lima, T. H., & Cunha, N. B. (2011). A relação entre vida acadêmica e a motivação para aprender em universitários. Psicologia Escolar e Educacional, 15(2), 283-290.

Sobre a autora:

Thatiana Helena de Lima é professora da graduação e pós-graduação na Universidade Federal da Bahia, mestre e doutora em psicologia pela Universidade São Francisco e desenvolve estudos na área de avaliação de aspectos educacionais.EditorLucas de Francisco Carvalho, professor do programa de pós-graduação stricto sensu em psicologia da Universidade São Francisco.