Esporte e Psicologia

A Psicologia do Esporte tem conquistado um espaço cada vez maior, o seu papel principal é estudar as manifestações psíquicas, emocionais e cognitivas que fazem parte da vida dos esportistas. Observando e estudando essas manifestações é possível identificar suas relações e influências com o desempenho do esportistas, oferecendo uma intervenção quando necessária.

Desta forma os profissionais da psicologia do esporte contribuem com o aperfeiçoamento do desempenho de diversos atletas, sejam eles profissionais ou iniciantes.

Este ano o mundo está com os olhos no Brasil e no esporte, a Copa do Mundo será sediada aqui, no período de 12 de junho a 13 de julho, sem dúvidas a realização desse evento acrescentará mais valores ao esporte, não apenas o futebol, mas atividades físicas em termos gerais, com isto a valorização da psicologia do esporte certamente obterá um crescimento considerável e positivo.

Em nosso catálogo você encontra diversos livros de psicologia do esporte, escritos na maioria pela autora Katia Rubio, Professora associada da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo, bacharel em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero (1983), é psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995). Fez mestrado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1998) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2001). Tem 16 livros publicados na área de Psicologia do Esporte e Estudos Olímpicos. É membro da Academia Olímpica Brasileira.

Desse 16 livros, 11 foram publicados pela Casa do Psicólogo, o último foi “Destreinamento e transição de carreira no esporte”, 2002, o livro fala sobre variadas histórias que estão por trás do sucesso dos atletas profissionais. Em comum, além de talento e uma força de vontade extraordinários, essas histórias caracterizam-se por terminarem muito cedo, às vezes ao final da adolescência. Quase todo atleta profissional começa a se dedicar ao esporte ainda criança e, quando a maior parte de seus amigos está entrando na vida adulta e profissional, ele está concluindo seu ciclo como esportista de elite, sem certeza do futuro. No entanto, essa não é a pior situação: há atletas que se mantêm competitivos até perto dos 40 anos. Se, aos 20 anos, nem sempre é fácil começar uma nova carreira, longe das quadras, pistas, ginásios ou piscinas, o que dizer aos 40?

E aí, o que fazer?!

Esta e outras questão foram respondidas pela autora, leia “Destreinamento e transição de carreira no esporte”

Destreinamento e transição.